O SUS (Sistema Único de Saúde), a partir de agora, passa a ser responsável pelo tratamento contra a diabetes e também pelos problemas causados pela doença, de acordo com nova lei sancionada na última quarta-feira (30). O text ainda prevê a realização de campanhas de divulgação e conscientização sobre a importância e a necessidade de medir regularmente os níveis glicêmicos e de controlá-los.

A lei foi sancionada pelo vice-presidente Hamilton Mourão, enquanto estava no exercício do cargo de presidente. O general vetou um ponto do texto que obrigava a disponibilização pelo SUS de exames com resultado imediato, como a glicemia capilar, furo feito no dedo do paciente para medir o índice glicêmico.  Segundo a mensagem de veto, o dispositivo criava uma despesa obrigatória ao Poder Público sem indicar a fonte de custoo e o impacto orçamentário e financeiro da medida até 2021.

O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO), defensor da causa no Senado, ressaltou que a diabetes é uma doença cara e, por isso, é importante que o SUS ofereça informações e tratamento para a doença, que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), atinge 16 milhões de brasileiros. Ainda de acordo com a OMS, a taxa de incidência de diabetes no Brasil cresceu 61% entre 2006 e 2016.  De acordo com Kajuru, as pessoas agora terão um atendimento que antes não havia para os diabéticos. “Se o caso for grave, poderá ter direito à cirurgia tanto a diabética quanto a bariátrica e o fornecimento de remédios, especialmente a insulina.”

Vale ressaltar que o diabetes é causado pela baixa produção do hormônio insulina, que controla a quantidade de açúcar no sangue. De acordo com o texto, de autoria do senador Jorge Kajuru, o governo fará campanhas de conscientização sobre a necessidade de medir os níveis de glicemia da população.