Um protesto histórico e que pode ser um marco no combate ao racismo no esporte aconteceu no jogo entre o Paris Saint Germain e o Istambul pela Champions League. A partida foi paralisada devido a um suposto ato racista do quarto árbitro contra o Pierre Webo, membro da comissão técnica da equipe turca. As equipes abandonaram o campo e retornaram ao vestiário como forma de protesto

Em uma atitude inédita, os jogadores dos dois clubes deixaram o gramado. Poucos minutos depois, o clube turco tuítou o slogan antirracista da União Europeia de Futebol. O Fenerbahce, outro time turco, o PSG e vários outros clubes compartilham a mensagem, assim como o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, que também usa a hashtag #NãoaoRacismo..

O primeiro jogador que chegou perto para pedir explicações ao árbitro foi o atacante brasileiro do PSG,  Neymar, seguido pelo atacante senegalês do Istambul, Demba, informa Libération.

A recusa dos jogadores do Basaksehir de retornar a campo obrigou a Uefa a remarcar o jogo para esta quarta-feira. A entidade máxima do futebol europeu também decidiu mudar todo o quarteto de arbitragem para a continuação da partida, afastando não apenas Coltescu da função de quarto árbitro como também o árbitro Ovidiu Hategan e os assistentes Octavian Sovre e Sebastian Gheorghe, todos romenos.

Essa postura histórica foi vista em um jogo numa liga norte americana, quando o time do San Diego Loyal abandonou o campo em forma de protesto na partida contra o Phoenix Rising, após um jogador adversário proferir comentários homofóbicos ao meio-campista Collin Martin.

Fonte: UOL