O projeto “Leia para Uma Criança”, promovido pelo Itaú Unibanco e pela Fundação Itaú Social, para distribuir livros gratuitos está de volta. Em sua nona edição, a ação, que tem como objetivo incentivar a leitura na primeira infância, vai distribuir 3,6 milhões de livros para todo o país, em kits compostos por edições exclusivas de “Leo e a Baleia”, de Benji Davies, e “O Tupi que Você Fala”, de Cláudio Fragata. Os pedidos podem ser feitos pelo site do Itaú e são abertos para qualquer pessoa, cliente ou não do Itaú.

O programa ainda inclui o envio de, 600 mil kits do Leia para uma Criança serão enviados pelo Itaú Social a crianças matriculadas na rede pública de municípios considerados de alta e muito alta vulnerabilidade, principalmente nas regiões Norte e Nordeste do país.

Para divulgar a ação, pela primeira vez, o banco optou por uma campanha que conta uma história real, que demonstra o efeito da leitura na vida de uma criança. O protagonista é Thompson Vitor, que passou em 1º lugar no exame do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) em 2015.

O menino, que é morador de Paço da Pátria, na Zona Leste de Natal (RN), morara com sua família. A mãe, Rosângela Marinho, trabalhou por muitos anos como catadora de lixos recicláveis. Além de buscar os materiais que ajudavam no sustento da casa, ela também procurava por livros descartados para ler as histórias para seus filhos. O exemplo que tinha da mãe, levou Vitor a estudar em Fortaleza, quando ganhou uma bolsa de estudos da Organização Educacional Farias Brito. Ele seguiu estudando, passou em 1º lugar na IFRN e, atualmente, cursa Química na Universidade de Rochester, em Nova York, nos Estados Unidos.

Para contar a história inspiradora de Thompson e Rosângela, foram feitos dois filmes, criados pela DPZ&T. Um deles aborda o ponto de vista da mãe, que imagina um futuro promissor para seu filho; o outro segue a visão da criança, ilustrando a consequência da leitura na vida de Thompson. Abaixo, os comerciais da campanha. O projeto “Leia para uma Criança” merece uma Salva de Palmas.