A final do Campeonato Paulista Feminino, que aconteceu no último sábado (16), entre Corinthians e São Paulo, contou com uma ação que tinha como objetivo chamar a atenção para a diferença salarial entre homens e mulheres. Quando o Corinthians fez o primeiro gol, aos cinco minutos do primeiro tempo com Victoria Albuquerque, em vez de mostrar 1 a 0, o placar foi alterado para “0,8 a 0”.  Segundo os dados mais recentes do IBGE, as mulheres recebem 20,5% a menos do que eles pelo exercício da mesma função, portanto, o placar tirou 20% do primeiro gol marcado.

E assim foi feito consecutivamente nos outros gols, marcando 1,6 x 0 quando Juliete fez o segundo e 2,4 quando Millene completou o terceiro. Os espectadores foram avisados da ação pela narradora Camilla Garcia, as comentaristas Nathalia Ferrão e Juliana Santos, e as repórteres Mari Pereira e Marilia Galvão, que estavam transmitindo o jogo pela FPF TV, canal da Federação Paulista de Futebol, no YouTube.

A iniciativa, intitulada #PlacarPelaMudança, fez parte de uma ação da própria FPF com a ONU Mulheres e a agência BETC/Havas para evidenciar uma realidade presente na vida de todas as brasileiras, independente da função. “Acreditamos que a decisão do Paulista Feminino, que termina com uma visibilidade recorde histórica, é uma oportunidade para questionarmos o fato de que as mulheres ainda têm remuneração menor em relação aos homens no mercado de trabalho. É imprescindível, principalmente nos dias atuais, trazer à tona discussões importantes para o crescimento da nossa sociedade”, disse Aline Pellegrino, diretora de Futebol Feminino da Federação Paulista de Futebol.

Vale ressaltar que o Campeonato Paulista feminino deste ano bateu recordes de audiência nas transmissões realizadas pelas redes sociais da FPF e também conquistou números importantes nas emissoras que mostraram alguns jogos – Rede Vida, Cultura e Sportv. O canal pago chegou a liderar a audiência entre as TVs esportivas no primeiro jogo da final, no mesmo horário que a concorrência passava Premier League e Bundesliga. A final também bateu o recorde de público do futebol feminino entre clubes no Brasil, com mais de 28,6 mil pessoas no estádio