Uma atitude simples que pode servir de inspiração para muitos estabelecimentos comerciais no Brasil e em outros países. Centenas de barbearias e até lavanderias dos EUA resolveram aderir a campanha “Livraria sem Fronteira”, que tem como objetivo estimular a leitura entre as crianças. A ideia é fazer com que os pequenos, enquanto cortam o cabelo ou aguardam a lavagem das roupas, leiam livros em voz alta concorrendo com os equipamentos e som ambiente.

Segundo informações do New York Times, essa iniciativa, com suporte de empreendedores, livrarias locais, instituições sem fins lucrativos, está redefinindo as fronteiras das tradicionais bibliotecas públicas, de forma que se criem outros espaços literários onde as crianças podem apreciar os livros.  Historicamente, nos EUA, estes são os locais em que as pessoas se encontram para conversar nas comunidades mais vulneráveis economicamente.

A organização norte-americana sem fins lucrativos Mr. Irby’s, financiada por escolas públicas, bibliotecas e doadores individuais, já ajudou a entregar livros em 185 barbearias em 44 cidades em 20 estados. Alem desse projeto, também fornece treinamento para alfabetização de barbeiros e está sendo desenvolvido um programa semelhante para salão de beleza.

A ação é parte de um programa nacional que promove a alfabetização de crianças nestes espaços. Em 2018, o projeto piloto, no Bronx, Queens e Brooklyn, identificou que as crianças preferem ler a colorir ou brincar com blocos. O objetivo é criar mais de 30 mil espaços de leitura em lavanderias e barbearias.

Incentivo local

Ano passado, a barbearia The Fuller Cut, em Michigan (Estados Unidos), passou a oferecer descontos a crianças que liam em voz alta enquanto cortavam o cabelo. O barbeiro Ryan Griffin  ficou sabendo que outros estabelecimentos já estavam fazendo isso e resolveu levar para sua comunidade.  Lá, os pequenos ganhavam desconto de US$ 2 no corte – o equivalente a R$ 9, se lessem em voz alta. Como muitos não conseguem terminar a leitura durante o corte, Ryan mantém um registro para saber onde o livro parou, de forma que as crianças possam retomar a narrativa no local certo em uma próxima oportunidade.