Com apenas quatro anos de idade a pequena Olivia, de Minnesota, nos Estados Unidos, salvou a vida de seu irmão caçula Eli. Diagnosticado ainda nos primeiros meses de vida com a rara síndrome de Hurler, ele venceu a doença graças à doação da irmã.

O menino foi diagnosticado com a síndrome, que é genética, e faz com que o corpo não produza uma enzima necessária para digerir o açúcar, quando tinha nove meses. O transplante aconteceu em 2019, mas durante todo ano de 2020 a família viveu a expectativa de saber se a doação de Olivia havia sido efetiva ou não. O resultado obtido nos exames foi positivo.

“Todos esses testes deram resultados tão bons — tudo parece igual ou melhor, o que é uma ótima notícia. Ele está se saindo realmente muito bem. E Olivia está tão orgulhosa de que ele é feito com as células dela e de que ele é tão saudável. Ela o deixou ficar melhor”, afirma Kelsey, mãe dos dois.

Ela conta também que todo processo foi conversado com Olivia, que sempre esteve empolgada com a possibilidade de ser a salvadora de seu irmão. Somente em 8 de novembro de 2019, os médicos removeram a medula óssea do osso do quadril. Antes, o menino foi submetido a uma severa quimioterapia.

Um ano depois, no entanto, os dois estão saudáveis e Eli já atinge um desenvolvimento intelectual quase compatível com sua idade.