Um bom exemplo vindo de Manaus e que tem ajudado muitas famílias locais. A técnica de enfermagem Vanderlecia Ortega dos Santos, ou Vanda, como é conhecida, tem oferecido os únicos cuidados de prevenção contra o novo coronavírus à comunidade indígena Parque das Tribos, um assentamento com mais de 700 famílias, que fica aos arredores da capital do Amazonas.

Desde o inicio da epidemia, ela esta usando seu tempo livre para atender chamados nas casas dessas pessoas, monitorando potenciais sintomas da COVID-19 por meio de um grupo de WhatsApp que a técnica criou. Esta semana, ela está monitorando 40 casos suspeitos e já indicou cinco urgentes para os serviços de emergência, incluindo uma idosa que precisou ser levada de carro pois não havia ambulância, que chegasse ao local.

Durante suas visitas, ela leva analgésicos e outros medicamentos básicos aos seus pacientes, além de orientações para evitar o contágio. Vanda faz visitas domiciliares nas horas vagas usando um avental, luvas e máscara. Segundo ela, a situação que já era crítica, se agravou com o isolamento social, necessário para conter o avanço da pandemia, pois acabou com a renda das mulheres que fazem artesanato ou trabalham como empregadas em lares de Manaus, e também dos homens que trabalham em canteiros de obras.

Vanda, de 32 anos, nasceu na comunidade ribeirinha de Amatura e se mudou há 10 anos para Manaus, onde se tornou técnica em enfermagem. Ela trabalha tratando pacientes de câncer de pele em uma clínica da cidade.

Segundo o Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena), a pandemia já matou 10 indígenas, mas a organização indígena Apib estimou nesta semana que ao menos 18 indígenas brasileiros já morreram se as mortes em áreas urbanas forem contadas. É difícil precisar o número real de casos em localidades muitas vezes remotas do interior do país.

Informações: G1