A menina Raíssa Andrade, de 9 anos vive em situação econômica vulnerável em uma casa de papelão em uma ocupação irregular na cidade de Campina Grande, na Paraíba. Apaixonada pelo balé e atendida gratuitamnte no projeto Balé Cidade de Campina Grande, a menina despertou atenção de pessoas que querem ajudar a família dela a dar uma melhor oportunidade à bailarina. A criança ganhou uma bolsa para ter aulas de dança em uma escola privada e terá uma nova casa.

Raíssa mora com o irmão Rian Andrade, de 12 anos, e a mãe Ivoneide Andrade, de 46 anos, que é catadora de material reciclável. A simplicidade e simpatia da menina ganharam o coração e admiração de policiais que estavam entregando cestas básicas na localidade onde a família mora. O sargento Rômulo Gouveia, do 2º Batalhão da Polícia Militar da Paraíba, disse que Raíssa recebeu a doação da cesta básica com muita educação e delicadeza, e que ao mesmo tempo em que ele achou a atitude bonita, a condição de moradia onde a família morava chamou a atenção dele. “Era um barraco pequeno em condições muito precárias e bem na porta predominava a lama no chão. No mesmo dia, fiz uma postagem do barraco refletindo sobre a condição de moradia. Algumas pessoas se sensibilizaram e se ofereceram para ajudar na construção”, disse.

Foi aí que o sonho da pequena Raíssa começou a se realizar. O sargento voltou até o barraco de papelão onde a família morava para conversar com dona Ivoneide para fazer uma campanha para a construção de uma casa para a família. A mãe aceitou a proposta.

O policial ainda descobriu o amor de Raíssa pelo balé e lançou na internet a campanha “Uma casa para uma bailarina”.  Na organização do projeto, além de Rômulo, estão envolvidos os soldados Yuri e Josenilson e a arquiteta Inaiara Ayres. Além da arrecadação em dinheiro, começaram a chegar doações de roupas, donativos e cestas básicas para a família que sobrevive de recicláveis.

Primeiro foi feita uma vaquinha on-line, na qual foram arrecadados R$ 16 mil. Em seguida, uma página de rede social lançou a própria campanha de financiamento coletivo com alcance nacional, arrecadando mais R$ 43 mil, valor que será destinado à obra no dia 6 de novembro.

A casa será construída totalmente do zero. Inaiara se voluntariou para fazer o projeto, para que a casa seja construída em plenas condições sanitárias, de ventilação e estrutura correta. O barraco já foi derrubado e a estrutura já está sendo feita. As obras começaram com o valor arrecadado na primeira vaquinha e a mão de obra é voluntária. Enquanto espera o fim da construção, a família vive em outro barraco, emprestado. Além disso, algumas escolas particulares de balé também ofereceram bolsa para ela treinar e aprimorar os passos nas pontas dos pés.

Informações: G1